Este website usa cookies. Estes cookies destinam-se a otimizar a sua experiência de navegação neste website.Ler mais

Outubro 18, 2016   |   Notícias

Novo medicamento BIAL para doentes de Parkinson lançado na Alemanha e no Reino Unido

PORTO, 17 de outubro 2016 – O grupo BIAL iniciou a comercialização na Alemanha e no Reino Unido do seu novo medicamento opicapona para o tratamento a Doença de Parkinson.

O novo medicamento BIAL, aprovado em junho pela Comissão Europeia, reduz o chamado período OFF-time em doentes de Parkinson, período que se caracteriza por um estado de profunda imobilidade dos doentes.

A Alemanha e o Reino Unido são os primeiros países a comercializar este fármaco. O novo medicamento BIAL deverá estar disponível durante o próximo ano em outros mercados europeus, incluindo em Portugal.

Para reforçar a sua estratégia de internacionalização e assegurar a comercialização dos seus medicamentos, BIAL abriu em 2015 filiais em Frankfurt e em Londres. Na Alemanha, BIAL conta já com uma equipa de 40 pessoas e de 15 no Reino Unido, essencialmente equipas de vendas e gestores médicos.

A Alemanha tem 260 mil doentes com Parkinson, num mercado avaliado em 400 milhões de euros, e no Reino Unido existem 120 mil pacientes, num mercado de 165 milhões de euros.

“Os estudos realizados mostram que opicapona representa uma nova opção de tratamento, segura e eficaz, e com a vantagem de ser de uma só toma diária, como terapêutica adjuvante em pacientes adultos com doença de Parkinson e flutuações motoras que não estão controlados com outras terapêuticas”, refere António Portela, CEO da BIAL. “Estamos muito satisfeitos por este novo medicamento BIAL estar já disponibilizado na Alemanha e no Reino Unido, países onde abrimos recentemente filiais. Este medicamento é o resultado de um forte e longo esforço do nosso laboratório na investigação científica na área das neurociências. Opicapona reflete a nossa aposta em I&D, o nosso projeto de internacionalização e, naturalmente, o concretizar da nossa missão de procurar soluções para os problemas de saúde das pessoas em todo o mundo.”

Partilhe