Este website usa cookies. Estes cookies destinam-se a otimizar a sua experiência de navegação neste website.Ler mais

Julho 07, 2017   |   Notícias

Medicamento da BIAL para a Doença de Parkinson lançado em Espanha

BIAL iniciou a comercialização do seu novo medicamento para a Doença de Parkinson (opicapona) em Espanha, já disponível no Reino Unido e Alemanha desde 2016

Aprovado pela Comissão Europeia em junho de 2016, opicapona está indicado como terapêutica adjuvante da levodopa em pacientes adultos com Doença de Parkinson e flutuações motoras que não estão controlados com outras terapêuticas.

Espanha é agora o terceiro país a comercializar o novo fármaco, depois da Alemanha e do Reino Unido onde foi lançado no final de 2016. A Doença de Parkinson afeta cerca de 1.2 milhões de pessoas na Europa, 150.000 das quais em Espanha, segundo a Federação Espanhola de Parkinson. BIAL perspetiva que no final de 2017 e início de 2018 será possível iniciar a comercialização da opicapona em outros países europeus, incluindo em Portugal.

“Estamos muito satisfeitos por poder disponibilizar o nosso novo medicamento em Espanha, mercado onde estamos presentes há quase 20 anos, e que é prioritário no nosso programa de internacionalização. Opicapona é o reflexo do nosso compromisso com a investigação na área neurológica. É sempre motivo de enorme orgulho sermos capazes de levar medicamentos da nossa investigação a novos mercados e assim contribuir para ajudar a melhorar a qualidade de vida dos pacientes”, assinalou António Portela, CEO da BIAL.

De acordo com Javier Pagonabarraga, coordenador do Grupo de Estudo das Doenças do Movimento da Sociedade Espanhola de Neurologia (SEN), “Apesar de dispormos de um conjunto de medicamentos para tratar os sintomas da doença, continua a haver um grande número de pacientes com flutuações motoras muito difíceis de controlar, não permitindo que permaneçam estáveis. Na nossa experiência durante os ensaios clínicos, o opicapona demonstrou ser eficaz no tratamento das flutuações motoras e assistimos a melhorias praticamente absolutas do tempo OFF em pacientes não controlados com outros fármacos".

Partilhe